Opinião

Como a Arrogância Mata Grandes Ideias

17:13
Créditos: http://matheusguilhermino.tumblr.com/

Enquanto fazia meu caminho habitual até o trabalho, um situação me tirou um pouco do eixo. No ônibus em que eu me encontrava, uma mulher começou a passar mal. Houve uma comoção respeitosa, onde praticamente todos os passageiros se colocaram a disposição para ajudar. 

O problema é que ninguém ali era médico e o hospital mais próximo ficava a quadras de distâncias.

Foi quando começou minha agonia.

O trânsito estava completamente parado, e mesmo que tivesse um pronto socorro bem próximo, nós ainda assim demoraríamos para chegar nele. Foi quando pensei em como uma ambulância seria ótima ali, já que, com a sirene ligada poderia abrir espaço na pista e chegar rápido ao destino. 

E se todas as pessoas pudessem ter uma espécie de sirene em seus veículos para situações como esta? Se alguém está passando mal e precisa muito de um hospital, poderíamos ligar essa sirene e os outros motoristas saberiam do que se trata e respeitariam a situação.

Três segundos depois eu caí na real.

Somos arrogantes para acharmos que, se tem alguém passando mal e nós não conhecemos, não é nosso problema.

Somos arrogantes o suficiente para julgar nosso tempo mais valioso que o das outras pessoas, e com toda a certeza do mundo, essa ideia que seria criada para ajudar pessoas em casos de emergência, seria usada sem nenhum pudor, toda vez que alguém tivesse um pouquinho atrasado para o trabalho (ou para a balada).

Somos arrogantes ao olharmos só para nosso próprio umbigo fazendo com que essa seja uma ideia tão utópica que chega a ser digna de riso. 

Mas, o que eu me pergunto é: quantas outras ideias já não morreram pelo mesmo motivo?

Minha intenção aqui não é fazer 'textão' reclamando ou qualquer coisa do gênero. Acho que está mais para um desabafo, seguido de um apelo: Antes de tomar qualquer decisão, coloque as mãos na cabeça e reflita de que forma sua atitude pode contribuir ou não para o bem de todos. As vezes nossa arrogância intrínseca nos impede de fazer isso e dessa forma, ajudamos aos poucos a construir um mundo mais desigual.

Ps.: Depois de longos minutos de agonia, a senhora do chegou ao hospital e foi devidamente atendida. Certamente passa bem.
Livros

Se Eu Não Tivesse Enviado Aquele E-mail... - Fernando Henrique

12:00
Com a premissa de narrar acontecimentos reais de forma cômica e irreverente, "Se Eu Não Tivesse Enviado Aquele E-mail..." falha miseravelmente. Com piadas meramente engraçadinhas no início, o livro parece ser uma boa escolha para se distrair, porém, com o decorrer da história encontramos um humor que degrada e segrega diversas minorias. Qualquer um que tenha uma leitura minimamente crítica, consegue perceber o quão ruim são as tentativas de humor feitas pelo autor. Não indico a ninguém, e explico abaixo o motivo.

De cara somos apresentados a Rick e Ane, personagens que irão desenvolver a história. Ele, apaixonado, ela, não estando nem aí. Ou melhor, ela é um tanto confusa. Ok. O que mais existe por aí são pessoas (homens e mulheres) que não sabem o que querem, e os personagens não fogem dessa realidade. O problema começa quando a história não aprofunda essa confusão. Em resumo, em um capitulo está tudo bem, no outro, tudo muda. Em um dia Ane diz "não estou interessada em você", e no outro "estou sim". É basicamente nesse nível. Não existe um desenvolvimento, explicação ou até mesmo qualquer coisa, que tire essa sensação de que está faltando algo. Em "Quem é Você Alasca?", por exemplo, nos deparamos com uma personagem mil vezes mais inconstante que Ane, porém, não sentimos falta de nada, pois, a história foi melhor amarrada pelo John Green.

Rick faz o típico apaixonado. Citando o popular, está de quatro por ela. Os únicos pensamentos que são narrados, são acerca de Ane. Um problema, quando noventa por cento do livro é composto de pensamentos (diálogos são raros). O que me incomodou muito, é a extrema obsessão que Rick tem, a ponto de ter pensamentos ridículos e desumanos. Convenhamos que chamar o filho de uma mulher de "empecilho" e cogitar, mesmo que seja na maior das brincadeiras, dizer pra ela vender essa criança, é no mínimo idiota.

Encontramos também uma quantidade grande de frases preconceituosas. A que me deixou mais revoltado e com vontade de jogar o livro fora, diz respeito a pagodeiros. (Spoiler) O pai do filho de Ane, era funcionário de uma academia. Carinhosamente apelidado de Personal, pelo próprio Rick, também é chamado de pagodeiro por ser negro (Já que na verdade, ele não ouve sequer uma música durante todo o livro). Em uma passagem um pouco mais pra frente, ele diz:

"Se eu soubesse que era só isso que eu precisava para conquistá-la, tinha comprado um pandeiro há anos e usado Cenoura e Bronze na praia para dar uma escurecida da pele (...)Ane era tão linda, tão inteligente, tão loira. Espera aí. Claro! Loiras adoram pagodeiros. Era uma atração que existia desde os princípios dos tempos. O universo estava conspirando contra mim. Tenho certeza que ela lutou bravamente. Mas ela não era tão forte o suficiente para vencer o universo" (página 115)

Pra piorar a situação:


"(...) Percebi que existia um padrão em todos os homens que Ane tinha ficado até ali. Todos gostavam de academia, o último até trabalhava lá, tinham cabelos ruins e eram feios. Não sei se eles eram divertidos e amorosos como eu era com ela, acho difícil. Deviam ser esses caras que vivem de farra, dando indiretas e que não perdem tempo. (...)" (página 125)

Acho que alguém deveria procurar saber a respeito da polêmica envolvendo a banda fly, antes de sair por aí dizendo que qualquer pessoa tenha "cabelo ruim".

Sem continuar citando passagens, mas ainda ressaltando, o autor também demonstra uma descrença com relação à amizade entre homens e mulheres, dizendo que esse tipo de amizade só existe se a mulher for feia, comprometida ou tiver um marido que seja PM. Que feio, não? Além de atacar a masculinidade de homens que assistem ou leem Crepúsculo, insinuando que não é "coisa de macho".

Apesar do livro ter uma narrativa leve e algumas piadas que valem a pena, os contras são maiores que os prós e por isso, não recomendo a ninguém.



Sinopse:

Rick conhece Ane, se apaixona, e descobre que ela tem um noivo. Uma história que pode mudar a sua vida. Provavelmente não vai, mas poderia.
Registro de Escrita

Organizando uma História Passo a Passo - Dia 2

17:50

Desde de que comecei a desenvolver a ideia dessa história, eu tenho lidado com a escrita de uma forma muito diferente do meu habitual. Sempre fui muito desorganizado e tinha preguiça de anotar as ideias de uma forma ordenada. Tinha plena consciência de que todas elas estavam bem guardadas em minha memória. Mas hoje percebo que não é bem assim que as coisas funcionam.

Quando eu começava uma nova história, facilmente me perdia e seguia por um caminho que eu não estava planejando. A princípio, achava isso fantástico. Como se a história estivesse tomando seus próprios rumos, mas, por mais magico que isso possa parecer, tenha cuidado. 

Esse famoso momento em que "a história ganha vida" e começa a fugir do seu planejamento inicial, pode ser maravilhoso e te levar à um lugar totalmente inesperado, deixando seu enredo muito mais emocionante. Mas, porém, entretanto, todavia, pode ser um completo desastre. Nada mais frustrante do que criar uma linha de raciocínio na cabeça e depois ter que recriá-la frequentemente. Chega uma hora que já não sabemos mais o que estamos fazendo e ficamos desanimados com tudo.

Quando temos um planejamento, mesmo que sua história fuja um pouco da suas mãos, rapidamente você poderá segurá-la e colocar de volta nos trilhos. E se você for adepto a deixar fluir, uma boa organização também irá te ajudar à reescrever o rumo das coisas e não se perder em meio à tantas ideias.

Como prometido no último post, vou ensiná-los a criar um outline completo sem deixar nada a desejar. Digno da J. K. Rowling. Como forma de deixar mais prático, eu vou usar o Excel, entretanto, se achar melhor, prepare papel e régua e mãos a obra! (Caso você tenha conhecimentos básicos de informática, pule para o passo 2)

1 - Abra o Excel

Existem várias formas de fazer esse passo. Se você tiver um atalho em sua área de trabalho, clique nele. Caso não, entre no menu iniciar e pesquise por "Excel". Não importa a versão que você tem instalada no computador. Seja qual for, ela será útil.









2- Adicione as Primeiras Informações

Nessa parte, é necessário decidir quais são as informações mais importantes pra que você não se perca. Eu sempre tive muita dificuldade de saber em que dia uma cena estava se passando por exemplo, então adicionei a coluna "Dia". Abaixo, vou deixar algumas sugestões que podem ser usadas.

Número (Nº) - Nessa coluna, você colocará a numeração do capítulo em que você está.

Ano - Caso sua história vá se estender por mais de um ano, é interessante adicionar essa informação.

Mês - Mês do ano em que acontece aquele capítulo. Você pode adicionar mais de um, por exemplo: Agosto à dezembro ou Janeiro/Fevereiro.

Dia - Dia do mês ou dia corrido. Exemplo: Você pode dizer que aquele capítulo está acontecendo no dia 17 daquele mês, ou no dia 80 da sua história (O primeiro capítulo seria o dia 1)

Estação - Saber se está na primavera, verão, outono ou inverno é importante para sua história? Então adicione essa coluna.

Título - Nome do seu capítulo.

Plot - Coisa mais importante daquele capítulo. O que vai fazer as pessoas perderem o ar e querer ler o próximo. (Em breve, post sobre o assunto)

Caso tenha alguma sugestão de informações que poderiam ser colocadas nessa etapa, deixe nos comentários!

3- Inclua os Personagens


Logo após terminar as colunas com as primeiras informações, você deve adicionar os personagens ao lado. Caso queira, pode usar uma outra cor, como na imagem, para dar um maior destaque.

4- Alimente a História

Finalmente chegamos na parte interessante. Com o modelo pronto, você irá começar adicionar o seu planejamento naquelas colunas. E nesse momento, cada pessoa irá lidar de maneira diferente com seu outline. Eu, por exemplo, já planejei tudo até o capítulo sete, mas ainda não escrevi nada na coluna título. Há pessoas que podem ter a inspiração do título antes mesmo de saber o plot daquele capítulo. Não se prenda a regras, e construa seu planejamento da forma que for mais cômoda.

Mas, o que fazer com as colunas dos personagens?

Essas colunas servem para que você tenha um controle sobre o que cada personagem está fazendo no decorrer da história, mesmo que ele não apareça naquele capítulo. Dessa forma, se o "Personagem 5" não fizer uma aparição no capítulo 3, mas você sabe que ele está do outro lado do mundo salvando tartarugas dos seus predadores naturais, basta registrar no seu outline. Essa informação poderá ser útil no futuro.

J.K.Rowling já afirmou que, gosta de ter a sensação de que o autor sabe de TUDO, mesmo que ele não nos conte.
E, mesmo que no início possa parecer complicado, em pouco tempo você já terá um outline cheio de informações e cada vez maior. E eu posso garantir que  vai bater aquele orgulho...

Tempo gasto: 1:09:00
Capítulos planejados8 / Total: 8



Se você caiu aqui de paraquedas, leia os outros artigos da série Registro de Escrita e seja bem vindo!