Contos e Crônicas

Da Infância ao Fracasso

10:01


Durante minha viagem diária até a faculdade, me deparo com uma casa monumental. Reparo no tamanho do terreno, penso no valor e me questiono qual a necessidade de tanto espaço para uma só família. 

Automaticamente minha memória trai minha linha de raciocínio. 

Recordo minha infância e me ponho a fantasiar. O que pensaria de tal casa, a dez anos atrás? Provavelmente nem sequer teria tempo de pensar. Assim que me deparasse com tão amplo quintal gramado, correria desvairado atrás dos cachorros, desceria os pequenos morros com a bunda em um papelão ou simplesmente subiria em uma das árvores atrás de uma manga madura. Se estivesse na companhia de amigo, faria tudo isso e mais um pouco.

Mais uma vez não pude conter o caminho que minha própria memória traçava. Logo estava imaginando, onde estariam meus velhos amigos naquele momento. Trabalhando, estudando ou simplesmente matando o tempo com qualquer coisa irrelevante.

Quando foi que nos tornamos tão chatos?

Eu havia prometido à mim mesmo, que não seria como os outros. Que não iria sucumbir aos males da vida adulta, me tornando igual a todos aqueles de que eu tinha dó. Ser adulto me parecia horrível, e eu não permitiria que me tornasse um.

Como eu era ingênuo...

Sequer podia imaginar que não se tratava de uma questão de escolha e que, as únicas opções que temos é crescer ou ficar pra trás. E como bons adultos que somos, não aceitamos ficar pra trás. Não aceitamos mais perder.

Mas raramente percebemos que, o que temos de mais importante já nos foi tirado. Quando a ficha cai, refletimos e nos impactamos com a realidade.

Afinal, somos todos perdedores.

1 comentários

  1. Palavras duras, mas são a realidade. Infelizmente com a vida adulta deixamos as coisas simples para trás. Quando era criança quera tanto ser "grande" e agora que cresci como queria voltar a minha infância, sem compromissos, contas a pagar e com bastante tempo pra se divertir. O problema de tudo é que só damos o real valor as coisas quando as perdemos.

    ResponderExcluir